loja schroder 177 da MRGLMERGS
Loja Schroder 177 da MRGLMERGS

sábado, 27 de dezembro de 2014

Filmes

COMO HOLLYWOOD ESPALHA DESINFORMAÇÃO SOBRE SOCIEDADES SECRETAS

Durante os últimos anos, uma nova tendência apareceu em Hollywood: as sociedades secretas estarem no centro das intrigas de cinema. Alguns podem achar isso surpreendente, pois as sociedades secretas deveriam ser...bem...secretas. Muitas pessoas na indústria do cinema fazem parte dessas Irmandades então o que é o raciocínio por trás disso? Vamos olhar para o mito de Hollywood está tentando criar examinando "A Lenda do tesouro perdido" e "Anjos e Demônios".

Uma década atrás, filmes sobre a Maçonaria ou os Illuminati eram raros e distantes (veja aqui uma boa lista de referências maçônicas em filmes). Houve, contudo, uma grande mudança durante a última década. O público em todo o mundo tem assistido a grandes filmes de grande sucesso que apresentam essas Irmandades no centro da história. Seus símbolos esotéricos são abundantemente exibidos e algumas de suas história sao até mesmo explicadas. Por que essas sociedades estão se expondo aos cinéfilos, se a maior parte deles nem sequer estão conscientes de sua existência? Não é o segredo um requisito importante para a sobrevivência dessas ordens?
Acredito que uma mudança importante está ocorrendo nas estratégias de comunicação dessas sociedades elite. O advento da era digital, onde qualquer pessoa pode criar e publicar conteúdo tornou o sigilo de tais organizações impossível. Auto-publicados sites, livros, documentários, DVDs e outras mídias expuseram muitos segredos da Maçonaria e outras ordens. Informações que só poderia ser encontrada em livros raros e exclusivos é agora uma pesquisa no Google de distância. Eu tenho encontrado alguns maçons que estão espantados pelo nível de conhecimento possuído pelo "profano". Esses tipos de estudiosos maçônicos, que na verdade não são iniciados na Fraternidade, eram muito raros, não muito tempo atrás.
Desde o início da era digital, as ordens ocultas têm adaptado sua estratégia para esse novo contexto. A estratégia é: "Se eles têm de saber sobre nós, nós vamos lhes dizer o que saber". Através de Hollywood e livros best-sellers, as sociedades secretas estão sendo introduzidas para o homem comum, mas com uma grande condição: ao público é dada uma interpretação distorcida, caricaturada e romântica das sociedades secretas. Estamos introduzindo na cultura popular uma tradição mítica em torno de sociedades secretas, associando-as com símbolos fascinantes, caça tesouros e aventuras exóticas. Os espectadores acreditam que estão realmente aprendendo fatos sobre a Maçonaria ou os Illuminati e saem do cinema com uma sensação de fascínio maravilha e admiração. Esses sentimentos são, porém, com base em fatos totalmente errados, explicações dúbias e contos de fadas. Depois de ver esses filmes, o espectador tem uma predisposição positiva sobre essas ordens (sociedades secretas) e estarão menos inclinados a acreditar ou pesquisar sobre conspirações relacionadas a elas.

A LENDA DO TESOURO PERDIDO
Este filme de aventura de sucesso foi produzido pela Walt Disney Pictures, uma marca que garante entretenimento familiar. Assim, os pais podem levar seus filhos e desfrutar de uma agradável, saudável sessão de desinformação maçônica. O filme gira em torno de uma caça ao tesouro com base em pistas deixadas por maçons proeminentes na a Declaração de Independência.
O filme começa com o personagem principal (interpretado por Nicholas Cage) como um pequeno menino, buscando informações sobre sua história familiar. O avô do menino vem e dá ao menino (e ao público) uma história totalmente falsa e distorcida dos Cavaleiros Templários e os maçons.
Aqui estão algumas das suas afirmações:
Os Cavaleiros Templários encontraram sob o Templo de Salomão, um grande tesouro que foi perdido por mil anos. Eles trouxeram de volta o tesouro para a Europa.
Foi dito que os templários possuíam artefatos religiosos extremamente raros. Teriam eles encontrado sob o Templo de Salomão? A lenda diz que sim. O filme entretanto descreve o tesouro como moedas de ouro, estátuas e tal.
Os Templários decidiram contrabandear o tesouro para os Estados Unidos e mudaram seu nome para os maçons.
Este é o lugar onde tudo se desmorona. Os templários não mudaram seu nome para os maçons, no alvorecer da civilização americana. Os Templários realmente desapareceram em 1312, o que é mais de 400 anos, antes da criação dos EUA.
"Aparentemente intocável por quase dois séculos, os Templários caíram em desgraça espetacularmente após a perda da Terra Santa: em 1307, todos os templários da França foram presos sob a acusação de heresia, homossexualismo, negação da adoração da cruz e adoração ao diabo. A ordem foi suprimida pelo Papa em 1312, e Jacques de Molay, último Grão-Mestre, foi queimado na estaca como herege dois anos depois."
- Sean Martin, Os Cavaleiros Templários
Os maçons não são uma instituição de todos os americanos, como insinua filme. É uma sociedade secreta européia que data da Idade Média, que abriram lojas na América do Norte para expandir seu alcance. O objetivo da Maçonaria não é "proteger um tesouro templário grande", é uma antiga ordem de construtores que incorporaram em seus ritos, ao longo dos anos, os ensinamentos dos Templários, Rosacruzes e os Illuminati.
Os templários era uma ordem oculta que lutou durante as Cruzadas ao lado da Igreja. É durante a sua estadia no Oriente Médio que eles garantem conhecimento oculto do leste místicos e trazem de volta para a Europa. Eles se tornaram grandes banqueiros e construtores de catedrais (em que incluem simbolismo oculto). Eles eram conhecidos por praticar a Kaballah, muitas formas de magia e as artes negras. Seus interesses conflitantes com os da Igreja Católica, finalmente, levaram a sua perseguição e morte.
Os maçons podem ser considerados descendentes espirituais dos Cavaleiros Templários devido a seu estudo de ciências esotéricas, a construção de monumentos e sua filosofia baseada em princípios gnósticos. A ligação entre os templários e os maçons está sendo cultivada, devido à tradição mítica em torno dos Cavaleiros. Em outras palavras, é boa publicidade.
"A fim de garantir a grande popularidade para o rito[escocês], ele [Isaac Long] ligou-o diretamente com os templários por uma lenda misteriosa".
-Domenico Margiotta 33 °, Adriano Lemmi
Assim, a parte "educacional" do filme dá, de fato, uma história mítica e romântica da Maçonaria. Alguns espectadores podem ver esta distorção como fato, outros vão associar tudo na maçonaria a um conto de fadas. O importante é que a verdade sobre a Maçonaria está escondida atrás de um véu de mitologia.


Interessante escolha de transição entre a face da avô contando a história e a Pirâmide de Gizeh.
Seu olho se torna o Olho Que Tudo Vê do Grande Arquiteto


SIGNIFICADO ESOTÉRICO DO FILME


Tomada estratégica diante do obelisco maçônico.
Como todas as histórias mitológicas, O Tesouro escondido tem um significado exotérico para as massas ignorantes e um significado esotérico para os iniciados. Se a história exotérica é para enganar o público, o significado esotérico carrega entretanto grandes verdades sobre irmandades ocultistas. Aqui está o significado oculto.
O "tesouro antigo" que foi zelosamente guardado por civilizações antigas é de fato o conhecimento oculto, os mistérios, que poderia quebrar os grilhões do materialismo e ajudar o possuidor a acessar a sua divindade (Kaballah, alquimia, gnosticismo e ciências ocultas). Este tesouro desaparecido por mil anos do mundo ocidental, o que corresponde ao período cristão primitivo. O filme diz que foi finalmente descoberto pelos Templários em Jerusalém, sob o Templo de Salomão (edifício sagrado dos maçons) e trouxe de volta para a Europa. Este conhecimento então migrou para os EUA através de sociedades secretas.
O herói do filme está em busca de iluminação e os enigmas que ele deve resolver representam as iniciações as quais deve passar antes de acessar um maior conhecimento. Este tesouro mais importante é simbolicamente enterrado sob a Trinity Church, em Nova York, em uma caverna escondida que é escuro e cavernoso. Ben Gates tem de acender a tocha da iluminação para encontrar seu caminho para o conhecimento oculto. A tocha representa a doutrina luciferiana da Maçonaria Americana instituída por Albert Pike. Nos graus mais elevados, Lúcifer é apresentado como sendo o "portador de luz", o deus do Bem, que mostra a caminho para a iluminação.

Nicholas Cage com a tocha de Lúcifer

"Sua [graus elevados de Rito Escocês] religião é neo-gnosticismo maniqueísta, ensinando que a divindade é dupla e que Lúcifer é igual a Adonai, com Lúcifer, o Deus da Luz e Bondade lutando pela humanidade contra Adonay, o Deus das Trevas e o mal."-Domenico Margiotta 33 °, Adriano Lemmi
"Quando o maçom aprende que a chave para o guerreiro é a aplicação correta do dínamo do poder da vida, ele aprendeu o mistério de sua arte. As energias ardentes de Lúcifer estão em suas mãos e antes que ele possa ir avante e para cima, ele precisa provar sua capacidade de aplicar corretamente (esta) energia." - Manly P. Hall, Lost Keys of Freemasonry
Voltando para a história. Ben Gates, com sua tocha Luciferiana encontra o caminho para a iluminação e obtém acesso a uma fonte infinita de conhecimento. Durante a cena onde os heróis olham ao redor da sala do tesouro, eles encontram itens muito importantes: Rolos de papel da Biblioteca de Alexandria, estátuas egípcias e outros artefatos da Antiguidade. Todos esses objetos se referem ao conhecimento oculto que foi comunicada através dos tempos por meio de sociedades secretas.
No final do filme, Ben Gates fala com o inspetor do FBI e implora para ele não mandá-lo para a cadeia. Piscando o anel maçônico, o representante da lei diz que "alguém tem que ir para a cadeia" pelo roubo da Declaração de Independência. A próxima cena mostra os "maus" (a não-maçons) sendo presos, mesmo eles realmente não tendo roubado a Declaração. Vemos aqui um exemplo flagrante do juramento maçônico passando por cima da lei. O agente do FBI deliberadamente ignorou a lei para ajudar seu irmão maçônico.

                 Anjos e Demônios


Este filme é baseado no romance de Dan Brown, que incide sobre os Illuminati e sua guerra contra a Igreja Católica. O herói atravessa Roma para salvar o Vaticano de uma mega-bomba que foi criada pelos agentes Illuminati para explodir à meia-noite. A primeira página do livro de Dan Brown afirma que "os Illuminati são um fato", incitando os leitores a tirar tudo escrito no livro como fatos. Eles não devem fazê-lo.
No início do filme, Robert Langdon (interpretado por Tom Hanks) empreende-se em explicar os Illuminati. Aqui estão algumas de suas reivindicações:
"Os Illuminati foi fundada por Galileu Galilei em resposta à recusa da Igreja de sua teoria heliocêntrica"
Os Illuminati foi fundada oficialmente em Alta Baviera, por Adam Weishaupt em 1 de maio de 1776. Isto é mais de 130 anos após a morte de Galileu e nem mesmo no mesmo país. Associação do filme, de Galilei com os Illuminati parece uma tentativa de associar o nome deste brilhante cientista para a sociedade secreta de conspiração.


"Os Illuminati não se tornaram violentos antes do século 17."
Ele nunca foi violento, suas ações foram baseadas em infiltração e subversão.
"Foi uma associação de cientistas, físicos e astrônomos envolvidos com os ensinamentos da Igreja imprecisas e eles foram dedicados a verdade científica. O Vaticano não gosta disso, então a Igreja começou a "caçá-los e matá-los".
Os Illuminati não era um grupo de cientistas dedicados ao avanço do conhecimento comum. O filme retrata falsamente a sociedade secreta como a contrapartida necessária a exigência racional do cristianismo de uma fé cega e seu entraves ao avanço científico. Nesta óptica, o telespectador médio não pode discordar com a descrição Tom Hank dos Illuminati e vê o fim de uma forma favorável. O verdadeiro objetivo dos Illuminati era a derrubada das instituições tradicionais em favor de uma nova ordem mundial.
Os objetivos dessa poderosa organização da Baviera Illuminati, foram:
1. A destruição do Cristianismo e de todos os governos monárquicos;
2. A destruição das nações, como tal, em favor da universal internacionalismo;
3. O desânimo de esforço patriótico e leal marca como preconceito mente estreita,incompatível com o princípios de boa vontade para todos os homens e ao grito de "Universal Fraternidade ";
4. A abolição dos laços familiares e do casamento por meio da corrupção sistemática;
5. A supressão dos direitos de herança e propriedade.
-Lady Queenborough, Teocracia Oculta Os Illuminati da Baviera se dissolveu alguns anos após a sua criação. Pesquisadores no entanto dizem que os Illuminati, com sucesso, integrou-se dentro da Maçonaria moderna.
Pensadores Illuminati acreditavam que alcance mundial de lojas maçônicas representavam a plataforma ideal para a propagação de seus ideais.
Para resumir, os Illuminati não era uma associação de cientistas brilhantes dedicados ao avanço das verdades científicas. Foi sociedade secreta que, através de infiltração e subversão, com o objetivo de derrubar as instituições tradicionais, a fim servir os melhores interesses de uma elite secreta. É verdade que os Illuminati eram completamente anti-Igreja, mas esta guerra não foi a principal razão de sua existência.
Hoje em dia, os Illuminati são considerados uma ordem oculta que recruta candidatos poderosos dentro da Maçonaria para a continuação de sua agenda.

SIGNIFICADO ESOTÉRICO DO FILME



O trabalho de Dan Brown, tem sido quase sempre focado em sociedades secretas. Há uma razão importante por que ele tem o apoio total de Hollywood: suas obras servem a agenda da desinformação.
No filme, os Illuminati ameaçam o Vaticano para "destruir a Igreja pela luz". "Luz" refere-se à explosão da bomba de anti-matéria mas também se refere à informação - propaganda e doutrinação. A única forma de fazer as massas virarem as costas para o cristianismo não é destruindo o Vaticano, mas mudando a maneira como as pessoas vêem a sua elite religiosa. Neste óptica, o próprio filme é a bomba contra o Vaticano. Mesmo que a Igreja, com a ajuda de Robert Langdon, aparentemente prevalece no final do filme, o espectador de Anjos de Demônios passou duas horas vendo todos os símbolos, rituais e figuras do catolicismo sendo profanados. Alguns exemplos: Robert Langdon destrói os arquivos do Vaticano, os candidatos para o papado são mantidos em jaulas como animais, um candidato é crucificado e queimado dentro de uma igreja, o túmulo do Papa defunto é aberto para revelar o rosto deformado grosseiramente, etc.

Todas essas cenas têm um forte significado simbólico que afetam profundamente a consciência dos telespectadores. A aura santa e divina que envolve o Vaticano é substituída por mortes terríveis, destruição e corrupção. O filme retrata toda a instituição como uma relíquia inadequada, teimosa e reacionária do passado. Para culminar, os telespectadores aprendem que todo o "Illuminati" era uma instalação grande, idealizada pelo filho do Papa (sim, aparentemente, o Papa teve um filho) para tomar sua posição. Assim, o filme conta ao espectador que os Illuminati não existe mesmo, e que a Igreja está tão corrompida que seus membros estão prontos para cometer os pecados mais horrendos para obter poder.
Os espectadores finalmente deixar o filme com as idéias exatas que a elite quer que eles mantenham: Os Illuminati é um conto de fadas e, quando eles realmente existiam, eram uma associação de grandes pensadores dedicados ao avanço da ciência, a Igreja Católica não é santa, é uma instituição profundamente falha e humana, que é obrigada a desaparecer devido a sua aversão à ciência. Através deste filme, os Illuminati verdadeiramente negam sua própria existência enquanto ainda a realizam o seu plano para destruir as religiões organizadas, pela doutrinação constante. A velha luta pelo poder entre a Igreja Católica e ordens ocultas está ocorrendo em nossas telas de cinema e podemos ver claramente quem está ganhando.
CONCLUSÃO
A tendência de ver as sociedades secretas em livros e filmes não está prestes a terminar. O último romance de Dan Brown, "O Símbolo Perdido" também concentra-se em torno da Maçonaria e seus laços com Washington. Estas obras estão aparecendo agora, como resultado da democratização da informação, o que permite que as pessoas regulares tenham acesso à informações que antes era inacessível. Esses filmes têm a mesma finalidade como símbolos ocultos: revelar e ocultar. Eles revelam aos iniciados, enquanto eles enganar o profano. Filmes de Hollywood têm sido usados ​​para promover agendas numerosas tais como a guerra do Vietnã, o medo do comunismo, o medo do terrorismo islâmico, a promoção dos valores americanos, etc.


Os filmes analisados ​​acima simplesmente promoveram uma nova agenda, que é a desinformação sobre as sociedades secretas.

http://vigilantcitizen.com