loja schroder 177 da MRGLMERGS
Loja Schroder 177 da MRGLMERGS

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Santo Graal

258 d.C. - Santo Graal 
Pesquisadores fazem o mais detalhado estudo das versões do cálice de Cristo e concluem que o verdadeiro é o da catedral de Valência

Quando a história sobre um determinado objeto atravessa o tempo – e, no caso, pensar em tempo significa traduzi-lo em milênios -, corre-se o risco de ela ir sendo aos poucos modificada. Pode tornar-se mais mítica, pode cada vez mais se cercar de mistérios. Esse foi um dos princípios que nortearam os 150 cientistas que se reuniram na semana passada em Valência, na Espanha, para apresentar as suas mais recentes descobertas sobre o Santo Graal – segundo o Novo Testamento, um cálice de 17 centímetros de altura no qual Jesus Cristo tomou vinho em sua Última Ceia com os apóstolos. Valendo-se de exames arqueológicos do material desse cálice, guardado a sete chaves na catedral de Valência, os pesquisadores afirmaram que o Santo Graal, muito provavelmente, de fato existiu, mas derrubaram lendas e mistérios que o foram envolvendo através dos séculos a ponto de transformá- lo em um símbolo quase inconsútil da religião católica. 

"Sempre se acreditou em cenas pobres, como as dos discípulos sentados no chão e Jesus, entre eles, pregando. Da mesma forma, sempre se fez crer que o Santo Graal seria um simples e pobre cálice de barro. As análises desse cálice e o seu contexto histórico, no entanto, provam que as coisas não são bem assim", diz Vicente Martinez, um dos mais conceituados historiadores da Universidade de Valência. "Jesus escrevia em hebreu e era chamado de rabi (mestre, em hebraico). E freqüentava famílias de posses como a de Lázaro", diz ele. "Temos de ter a coragem de admitir que a taça da Última Ceia não é de barro, é linda e rica, adornada com ouro e pedras preciosas." Ou seja: a taça luxuosa que desde 1428 está em Valência, a julgar pela tese desse pesquisador, tem mesmo grande chance de ser o legítimo Santo Graal.
DISPUTA DE TAÇAS
Análises colocaram um fim no dilema sobre a legitimidade da taça romana de Antioquia (ao lado). Ela tem capacidade para dois litros de vinho.
Outro mistério a cercar o cálice (ou taça) diz respeito a sua trajetória a partir da crucificação de Jesus. O antropólogo alemão Michael Hessemann foi um dos cientistas que tocaram nesse ponto ao apresentar aqui lo que considera o "resgate dos caminhos do Santo Graal". Segundo ele, foi José de Arimatéia que recolheu, com essa taça, parte do sangue que jorrou de Cristo na cruz. O cálice foi então confiado a religiosos até ser perdido na Europa depois de uma perseguição do imperador romano Públio Valeriano, em 258 d.C. "No primeiro meio milênio após a morte de Jesus, documentos literários se referem ao Graal estando ele em posse dos Cavaleiros da Távola Redonda, como um objeto misterioso que dava sorte ao rei Arthur", diz Hessemann. Especialistas israelenses endossam a teoria de que o Santo Graal foi sempre protegido por reis que lhe atribuíam poderes mágicos e sobrenaturais, até que chegou a Valência, onde está até hoje.

Uma das mais revolucionárias novidades, no entanto, vem do arqueólogo espanhol Antonio Beltran, catedrático de arqueologia da Universidade de Zaragoza e um dos mais renomados cientistas do mundo. Beltran afirma que o cálice foi "maquiado" com o passar do tempo.
"Creio que a taça que está em Valência seja a legítima. Mas suas asas, a sua base de ouro e a sua copa alexandrina de ágata foram feitas muito tempo depois, por volta do ano de 1600 da era cristã. E têm origem oriental", diz Beltran.
Em meio a tanto mistério e teorias, nada mais natural que outras taças tenham surgido ao longo do tempo, exibidas como sendo aquela que a Bíblia avaliza. A peça que mais ganhou força nessa multiplicação de cálices chama-se Antioquia e está em Roma.
"Tenho provas que evidenciam o contrário. Essa taça tem capacidade para dois litros, grande demais para ser passada de mão em mão na mesa da Última Ceia", diz a historiadora americana Janice Bennet. Ela integra o rol dos 150 cientistas que pedem à Unesco para outorgar ao Santo Graal, mais particularmente à peça que está em Valência, o título de Patrimônio da Humanidade. "É impossível não reconhecer a importância desse cálice.

Talvez ele nunca tenha sido tocado por Jesus, mas temos também de levar em consideração a evidência de ele estar intacto, e talvez isso se deva ao fato de ser sagrado", diz Martinez.

No Congresso Interna cional sobre o Santo Graal, em Valência, cientistas reconheceram a taça acima como a verdadeira e afirmaram que ela foi feita 100 anos a.C. Apenas a sua parte superior é da época de Jesus.